Cultura Maker

Cultura faça você mesmo

A pedagogia fundamentada no “mão na massa”, utilizando as tecnologias digitais, encontrou sua grande referência na proposta de Papert e colaboradores (que criaram o termo “construcionismo”), pautado pela ideia de que o conhecimento se realiza quando o aprendiz está engajado na produção de um objeto de seu interesse (PAPERT, 1986).

A junção de antigas e novas propostas educacionais “mão na massa” culminou na chamada Educação Maker, com seu foco na implantação de atividades que combinam ciência e tecnologia – tanto com relação aos espaços, quanto aos temas curriculares.

Hoje, com o avanço tecnológico e a viabilidade de máquinas como impressora 3D, cortadora a laser e plotter de recorte, tornou-se possível e convidativo materializar ideias através das metodologias ativas. É o que tem sido feito em escolas de todo o mundo, incorporando ao currículo os princípios e práticas da cultura maker, com foco na aplicabilidade da teoria nos projetos concretos e assim integrando as disciplinas para um aprendizado contextualizado.